26 de agosto de 2015

|| HAUNTED 6 - Trouble and Kisses ||


– Então... 
– Acho melhor só esquecer, vou pro meu quarto começar outro relatório 

Voltei pra dentro de casa o deixando sozinho e fui até meu quarto. Parece que Louis é sinônimo de me levar a loucura..  



DIA SEGUINTE 



Já estava de tarde, tinha acabado de sair do banho quando escutei a voz do Louis me chamar, coloquei rapidamente uma roupa e desci as escadas até a sala. 

– O que houve? – perguntei 
– Entraram uns caras na casa, acho que já vão sair... parecem que trabalham pro Mark 

Me aproximei da janela, fiquei um pouco atrás da cortina pra não tão explicito assim, depois de esperar um pouco e estar quase desistindo, a porta foi aberta, primeiramente saiu um homem mais velho rindo, logo depois um mais novo e por fim um rosto bem conhecido. 
Fechei as cortinas imediatamente e me afastei, pela minha reação Louis provavelmente notou algo de estranho. 

– O que houve? – perguntou – viu alguma coisa de estranho? 
– Eu vi... meu irmão – olhei pro Louis – ele trabalha pro Mark
– Seu... irmão? – questionou confuso – pode ser um engano, Franky... ele parece ser receptivo com pessoas q... 
– Não é um engano! – o interrompi – todo mundo tem uma motivação pra fazer algo... por que acha que eu sou policial? – suspirei 
– Eu... lamento, não sei se tenho alguma coisa boa pra te falar 
– Se houvesse alguma coisa boa – ri debochada – não acredito que esse idiota trabalha pro Mark 

Passei a mão pelos cabelos e me sentei no sofá, estava me esforçando o máximo que eu podia para não sair de casa naquele mesmo momento e dizer tudo o que precisava pro meu irmão... melhor, Theo, prefiro lembrá-lo como um desconhecido, só de pensar que é da minha família acaba comigo mesma, eu sou a mais nova mas no fundo sinto culpa por deixá-lo ali. 

– Franky – Louis chamou minha atenção – isso não vai te atrapalhar? 
– Não – neguei – só é meio decepcionante, sabe? 
– É uma péssima coincidência, se fosse uma das minhas irmãos, nem quero imaginar o que faria 
– Não imaginei que ele estava envolvido em algo assim tão... pesado, agora não podemos deixar que ele me veja  
– Ele sabe que... 
– Só sabe que eu prestei um teste pra policia, mas Theo não confia em mim de jeito nenhum, fora que ele nota quando alguém esta mentindo de longe 
– Até que ele parece com você 
– Está piorando a situação, Louis 
– Foi mal é que... isso é muito estranho 
– Sim... muito estranho – disse pensativa – será que alguém sabe de tudo? 
– Mark não parece desconfiar 
– Esqueceu do jantar? Parece que Mark não trabalha sozinho 
– Então, talvez o chefe saiba
– Por que ainda estamos vivos? 
– Acho que ele não tem certeza 
– Ou... ele pensa que apenas eu trabalho pra FBI 
– Mais provável que estejamos loucos – revirou os olhos – por que ele deixaria que continuássemos descobrindo coisas? – perguntou 
– É... faz sentido – me levantei – eu devo estar só pensando demais, vou subir 

Louis assentiu pela primeira vez sem soltar alguma piadinha, deveria estar com pena e isso com certeza é a única coisa que eu não quero despertar nas pessoas, "pena" é algo que eu dispenso. 
Ao chegar no quarto, olhei dentro da mala que eu trouxera com as roupas para a "nova casa", foi a mesma mala que eu saí da casa dos meus pais quando tinha 17 anos, até hoje não tive coragem de me livrar dela ou mexer no bolso da frente. 
Ali ficavam todas as poucas fotos que eu tinha, meu pai trabalhava em uma indústria todos os dias, enquanto minha mãe era manicure em um salão de beleza... estava dando meu máximo no colégio, não era a típica nerd, muito menos a popular, mas claro que não escapei do bullying afinal só tinha amigos garotos e usava camisetas largas, de qualquer forma, bons tempos... Meu irmão não parava em casa, principalmente quando completou dezoito anos, eu ainda tinha quinze na época, era tão curiosa que acabei me colocando em perigo. 
Descobri da pior forma que meu irmão, Theo, era um traficante barato... sendo pega pela pequena quadrilha que ele trabalhava, porque fui burra o suficiente pra segui-lo. 
Depois de ser pega, fui xingada de todos os nomes possíveis, não me lembro se algum dia na minha vida fui tão humilhada, antes que fizessem algo a mais Theo chegou, me tirou dali segurando firmemente no meu braço me machucando e me levando pra fora daquele lugar horrível. 

– O que deu em você?! – ele perguntava nervoso – Acha que esses caras estão de brincadeira?! 
– Theo... quem são aqueles caras? Por que está andando com eles?
– Não devo explicações pra você, agora volta pra casa rápido 
– Não saio daqui enquanto não me contar – cruzei os braços 
– Você tem que sempre querer estragar qualquer merda que eu faça? Bem, eu trabalho pra esses caras 
– Mas eles são traficantes, Theo 
– É, eu não venho aqui pra brincar de casinha – ironizou – se contar pros nossos pais eu juro que faço você se arrepender, entendeu? 
– VOCÊ ENLOUQUECEU?! TRAFIC... – tampou minha boca 
– Fica quieta! Eu já disse, volta pra casa e se contar alguma coisa, não importa o que seja... pode ter certeza que vai ter volta

Ele me empurrou fazendo com que eu caísse no chão, depois de me olhar por poucos segundos que naquele momento pareciam minutos, até hoje tenho a esperança que ele estivesse cogitando no fato que aquele lugar não era o dele e que queria voltar pra casa comigo... porém não foi o que aconteceu, ele apenas manteve um rosto sério e disse "vai pra casa, agora" da forma mais rude que podia, então, me deu as costas e foi embora. 
Só de lembrar disse fico perturbada, peguei a foto que eu tinha de quando éramos crianças, rasguei imediatamente e como naquele dia em que descobri de tudo, me deitei na cama e chorei. 
Jurei pra mim mesma não chorar por isso nunca mais, só que é difícil, crescemos juntos, brincamos juntos e como fomos seguir caminhos tão diferentes?
Depois disso, me levantei e fui até o banheiro, lavei meu rosto e me encarei no espelho. Agora mais do que nunca tenho que manter todo meu foco na missão.
Fui até a cozinha onde Louis comia alguma coisa, ao me ver disse algo que eu mais precisava escutar... 

– Tem sorvete no congelador 
– Parece que está começando a me conhecer bem – ri baixo e abri o congelador 
– Sorvete sempre melhora as pessoas... Zayn disse umas novidades
– Que é? 
– Conseguiram colocar um cara infiltrado e ele junto com o Liam, se mudam amanhã 
– Quem é o cara infiltrado? 
– Ainda não sei, ele disse que quando puder provavelmente aparece.. só sei que o nome é Jesse 
– Tudo bem... 
– Qual é, Franky – se aproximou – não fica assim, se você já sabia de tudo não é uma surpresa 
– Sempre é uma surpresa 

Comecei a comer o sorvete e por um momento ficamos em completo silêncio, porém não demorou para que o pote fosse tirado das minhas mãos. 

– Louis! 
– Não vou deixar você ficar desse jeito, vamos sair 
– Ah, não – revirei os olhos – faz tudo mas não me tira de casa hoje 
– Pelo contrário, se arruma, vamos sair 
– Não mesmo – cruzei os braços 
– Se quiser eu mesmo posso te arrumar – sorriu malicioso 
– Seu pervertido idiota – o empurrei e ri 
– Mas o único que está te fazendo rir e eu não aguento mais ficar preso nessa casa 
– E se acontecer algo? Estamos aqui a trabalho, esqueceu? 
– Já aconteceu o suficiente por hoje, não acha? 
– Okay – suspirei – dessa vez você venceu 

Ele sorriu parecendo alegre pela primeira vez eu ter admitido que ele de fato venceu. Fui até meu quarto, tomei um rápido banho e me arrumei normalmente já que ele não disse onde iríamos.
Quando eu estava completamente pronta, me direcionei até seu quarto, bati três vezes na porta e a abri. 

– Você só tem regata preta, Louis? – debochei 
– E você só sabe encher o saco? – retrucou e sorriu cínico 
– Aonde vamos? 
– Ahn... não sei, Nova York é enorme tem muitos lugares pra ir 
– Nossa que resposta 
– Para de ser chata – riu e veio até mim – o que acha do Times Square? 
– Certo, está pronto ou tem que retocar a maquiagem? 
– Sou bonito naturalmente – se gabou 
– Quem te disse isso? sua mãe? 
– Não, as garotas, mas é claro que elas não elogiam só minha beleza – piscou 
– Nossa, estamos casados e eu ainda não tenho nenhum elogio pra você 
– Se quiser ficar em casa te arrumo vários motivos pra me elogiar 
– Pensando bem, Times Square parece um lugar maravilhoso – eu disse saindo do quarto 

Escutei a risada do Louis, ele parecia adorar me provocar o fazia rir mais do que qualquer coisa. 
Desci as escadas e logo ele apareceu colocando uma jaqueta. Jogou as chaves do carro pra mim e colocou sua carteira no bolso da calça. 

– Vai correr o risco de me deixar dirigir? – eu brinquei já que ele não confia que eu dirija bem 
– Só hoje 

Saímos de casa e fomos direto para o carro, comecei a dirigir e tive que usar o maldito GPS, acho que já mencionei o quanto odeio a voz dessa mulher, mas claro que quando eu me encontrei e descobri onde estava, fiz questão de desligá-la. 

– Ah, eu gosto tanto da voz dela – claro, que Louis tinha que soltar uma provocação 
– Só gosta porque sabe que eu odeio 
– Mas é claro que não, tem uma voz muito bonita por isso gosto dela 

Não o encarei mas sabia que ele estava segurando riso enquanto eu estava com a pior cara possível. 
Ao chegar no Times Square, deixei o carro no estacionamento e começamos a andar. O lugar como sempre estava repleto de pessoas, carros e até barulhento, mesmo assim sempre achei lindo, tudo aqui é enorme e as luzes sempre iluminam tudo, realmente esse lugar nunca dorme. 

– É muito estranho ter vindo de Doncaster e estar aqui – Louis disse 

Encarei Louis que tinha os olhos brilhantes enquanto olhava os enormes prédios, porém ele desviou seu olhar pra mim e sorriu. 

– Tá afim de tomar um porre? – perguntou 
– Achei que não iria dizer isso nunca – ri – vamos logo 

Paramos no primeiro bar que achamos, claro, como era Times Square não era um lugar simples mas de fato eu só me preocupava com as bebidas, pedimos duas doses de tequila (porque corote é só no BR). O bartender colocou os copos cheios em nossa frente, nos entreolhamos brevemente e viramos. 

– Acho que vamos precisar de um taxista – comentei 
– Esquece de tudo a intenção agora só é ficar bêbado – piscou 

Acabei rindo e pedimos outro copo de bebida, agora seria vodka, e assim ficamos revezando entre vodka e tequila, até que decidi dar uma pausa quando já notei minha visão turva e com certeza minhas pernas não me ajudavam muito, por um momento esqueci que fazia um bom tempo que eu não bebia dessa forma, olhei pra Louis que virava um novo copo e me encarava com um sorriso no rosto, provavelmente não estava pior que eu, mas estava bem longe de estar normal. 

– Mas já? – perguntou surpreso 
– Ah, nem vem, você já está bêbado também, só não admite 
– Tenho um ótimo lugar pra ir 
– Que é? 
– Empire State 
– Essa hora? 
– Tenho meus contatos 
– Que é? 
– Um distintivo da FBI – sorriu
– Louis eu acho que... 
– Relaxa, ninguém vai descobrir – deixou o dinheiro no balcão – pode ficar com o troco – disse ao bartender 

Saímos do bar e andamos até o Empire State, já que convenhamos não é difícil de achar e por sorte, já estávamos bem próximos. 
Ao chegar, Louis tentou parecer o mais sério possível, mostrou o distintivo e eu fiz o mesmo. 

– É algo secreto, precisa ficar entre nós, okay? – Louis mentiu 

O segurança assentiu e sem repudiar deixou que passássemos, entramos no elevador e quando as portas se fecharam, começamos a rir. 

– Viu a cara dele? – continuei rindo 
– Não sei se ele estava com medo ou achando interessante ver alguém que trabalha pra FBI – disse enquanto parava de rir 
– Acho que não vai demorar muito pro meu celular ficar sem sinal – eu disse olhando pro mesmo 
– O que importa? Levar uma bronca do chefe não faz mal 
– Nem parece o mesmo cara que no primeiro dia disse que um atraso nos mataria 
– Acontece que no momento esse cara está bêbado e não liga pra nada – sorriu 

Como estava tão bêbada quanto ele, fiz a maior loucura possível, confiei completamente no Louis, algo que não me imaginei fazendo quando o conheci. 
Depois de um bom tempo, chegamos no lugar mais alto e por fim subimos algumas escadas. 
Por mais de morar à um tempo aqui, sempre me foquei nos meus trabalhos e evitei me dar o luxo de sair pra algum lugar e vir em um dos maiores cartões postais de NY, que é o Empire State. 
A visão era tão linda que nem ao menos parecia real, a cidade brilhava sem parar. 

– Parece uma árvore de natal – comentei 
– É parece – riu – dá impressão que tudo é pequeno 

Me sentei no chão e olhei para o celular completamente sem sinal, o desliguei e olhei para o Louis que se aproximava de mim, ele esticou a mão em minha direção, pensei em reclamar afinal eu havia acabado de me sentar pra descansar um pouco, mas estiquei meu braço e segurei sua mão. 
Louis me puxou para que eu me levantasse e quando fiz ele me puxou pra perto. 

– Será que minha esposa me concede essa dança? – fingiu seriedade 
– Apenas se meu marido não pisar no meu pé – sorri 
– Acho que posso prometer isso – disse pensativo – vamos ver o que o aleatório do meu celular tem pra gente 

Ele pegou seu celular com a sua mão livre e o no aleatório começou a tocar The Neighbourhood - WDYFM, ele adiantou até os 30 segundos da música, largou o celular no chão e segurou minha cintura. Acabei rindo um pouco, mas segui seus passos na música, rapidamente ele me girou e voltou a me puxar pra perto,
 mas dessa vez colada ao seu corpo, olhei em seus olhos e continuei dançando, pousei minha mão que não segurava a dele em seu ombro e subi até estar perto de sua nuca, Louis me levou um pouco pra trás, enquanto olhava fixamente em meus olhos, sem querer pisou em falso e caímos, na queda ele foi rápido em me deixar por cima dele, evitando que eu caísse de cara no chão. Enquanto o mesmo soltava um suspiro parecendo sentir um pouco de dor, comecei a rir, apoiei meu braços no chão e olhei em seus olhos ainda rindo. 

– Louis... 
– Você disse pra não pisar no seu pé, foi diferente... caímos no chão 
– Atrapalhado – sorri 
– Talvez aquele idiota do Mike tenha razão em uma coisa 
– Que é? 
– Você tem um "belo sorriso" – imitou a voz dele 
– Eu sei que isso foi sua cantada barata 
– Mas foi boa, não mereço nada por isso? – sorriu 
– É... talvez mereça, já que quando estou bêbada meus padrões diminuem 
– Pode ter certeza que faço parte do seu padrão até mesmo quando está bem 

Antes que eu retrucasse, Louis levou sua mão até minha nuca, como foi de surpresa me arrepiou fazendo com que eu perdesse um pouco a força nos braços, me abaixei mais um pouco e fiquei ainda mais próxima dele... apenas pensei "por que não?". Escutei perfeitamente a música do seu celular ainda tocando.
What do you want from me?
 Maybe she's right maybe i'm wrong 

No momento o beijei, senti sua mão apertando minha cintura e eu me encachei deixado uma perna de cada lado de sua cintura. 
Maybe we'll fight 'til it moves us along
I can't deny writing a song
Hoping she'll find she's not alone
Maybe you're right, maybe this is all that I can be... 

Antes de beijá-lo pensava que duraria pouco, porém ao sentir seu beijo de forma intensa como se ele tivesse certeza que estava fazendo a coisa certa, acabou durando até faltar um pouco de folego, mas ao romper, antes que eu falasse algo ele me beijou e foi levantando o corpo até estar sentado comigo em seu colo. Levei minha mão até seus cabelos, enquanto ele pressionava minha cintura contra seu corpo. Ao romper o beijo novamente, não saímos daquela posição, apenas nos encaramos, parecendo procurar no outro uma resposta que fizesse sentido para tal coisa ter acontecido. 
Com certeza se fosse um cara qualquer eu não me preocuparia, o único problema é ser a pessoa que trabalha comigo, estamos em uma MISSÃO juntos... Mas sinceramente, nesse momento, toda aquela tequila e vodka falava mais alto, me fazendo não me importar. 

– Pra uma policial marrenta, você beija muito bem – brincou 
– Cala boca, idiota 

Tornei a beijá-lo, deixei uma mão em sua nuca e outra entre seu cabelos, o beijo ficou ainda mais intenso, senti as mãos do Louis desceram da minha cintura até minha bunda apertando com força, soltei um suspiro entre o beijo, quando rompemos, eu respirei fundo, desviei o olhar brevemente mas logo ele segurou em meu rosto fazendo com que eu o olhasse, ao mesmo tempo que com a outra mão se apoiava no chão. 

– Pra um implicante babaca, você beija bem – ri baixo 
– Tenho certeza que amanhã nem vou acreditar que isso aconteceu 
– Pode ter certeza que eu também não 
– Mas aproveitando que ainda estamos bêbados, podíamos voltar pra casa – beijou meu pescoço 
– Nem sonhe, não quero me sentir culpada por duas coisas 
– Fácil – me encarou – é só não se culpar e deixar eu te levar 
– Já confiei em você até agora
– Então... vá me dizer que não está se divertindo? 
– Só que... 
– a resposta é sim ou não – sorriu vitorioso 
– Sim – respondi – mas... – me interrompeu 
– Está com medo de alguma coisa querida esposa? – ironizou 
– Melhor guardar essa ironia pra você querido marido, antes que acabe dormindo excitado 
– Eu não... 
– Ah, está sim 
– De qualquer forma... acho que poderíamos parar de falar, não é mesmo?

Sorri pra ele, que voltou a me beijar... parece que se arrepender não está no plano de nenhum dos dois. 


Continua...
CONTINUO COM 9 COMENTÁRIOS  

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

OLÁ!! 
Valeu pelos comentários lindos do último capítulo. Espero de coração que estejam gostando da fic ;) Estamos bem perto de uma ação (e hot é já no próximo capitulo pq comigo os negocio é papum) 
BEIJÃO PRA CAROL MALIK <3 e pra todas que deixaram comentários, amo vcs, flw 

26 comentários:

  1. Perfeito... Continua <3

    ResponderExcluir
  2. HOT ?? Vc disse hot ?? O.O (pra glorificar de pé) ��
    Perfeito de mais ��
    Continua

    DS

    ResponderExcluir
  3. Estou amando ela mi, eu espero ansiosa para o próximo capitulo. Esta perfeito... Pelo jeito o que vai tá bom mesmo é o próximo né, que é Hot... Continua...
    Xx juh :-*

    ResponderExcluir
  4. To torcendo pro proximo ser hot ❤️

    ResponderExcluir
  5. Não demora postar, por favorzinho

    ResponderExcluir
  6. posta logo pelo amor de Jesus Cristo e o que você sente pela One Direction antes que eu morre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai mds calma! haha, pode deixar q logo logo posto

      Excluir
  7. Ta pft!!! Mdss ta mt boom!! BJSS
    Continua rapidoo

    ResponderExcluir
  8. Ai meu Deus já quero ler esse hot, esperei desde do começo da fic, Ameii demais esse capítulo, fofo, louco, divertido, e com emoções maravilhosas.
    Uma admiradoraxx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "uma admiradora" aaaah q amorzao*-* vou continuar logo, muito obg

      Excluir
  9. aaaaaahhh HOT amo amo amooo , continuuuuua tá cda vez melhoor .......

    ResponderExcluir

Não saia sem comentar. Dê sua opinião!!! Malikisses *-*