Cabeçalho

Cabeçalho

Y&I - capitulo 13.

19 de dezembro de 2014 | | | 3 comentários:
 Justin Bieber & Cody Simpson - Home To Mama.
                                   Fuck.

                                           SeuNome on. 

  Adormeci cansada de tanto chorar. 
 São todos uns falsos. Ate meus pais, santo Deus. Fui tão ingenua, como não percebi que 
o Niall jamais se tornaria meu amigo? Me sinto mais patética ainda lembrando que estava a
alimentar - mesmo que não admitisse para mim mesma - sentimentos por ele, chegando ate 
a imaginar que ele também estivesse sentindo, ou começando a sentir o mesmo por mim.

 Contra a minha vontade eu levanto com a necessidade de pelo menos ir ate o quintal neste
novo dia que acaba de nascer. Antes de abrir a porta olho para o relógio e me pergunto
que diabos eu estou fazendo de pé tão cedo? Não passa das 7 e meia da manhã. 

  Ao abrir a porta encontro o Niall encostado na parede adormecido, paro por um instante 
para analisar a cena e sem avisos ele se retorce um pouco e abre os olhos devagar. E em 
um piscar de olhos esta de pé a minha frente.

Niall: Oi. - sorri fraco. 
eu: Oi. - Forço-me a virar de costas para ele e caminhar para longe. 
Niall: Ei ... - Segura meu braço e me puxa com força. - Por favor princesa, me escuta. - seu toque é quente e acolhedor, me sinto hipnotizada. Como pode ter esse poder sobre o meu corpo? Com apenas um toque me faz parar e querer mais, mesmo com raiva dele. 

 E então como não falo nada ele prossegue parecendo nervoso. - Tudo bem, vamos lá... no começo sim era por dinheiro, mas então você veio com esse seu jeito idiota de ser e pronto. Você acabou comigo meu anjo. Você me fez querer mudar. E já com vontade de te ter eu te beijei quando você voltou do hospital pois não aguentei ver você desistindo. - NÃO FOI UM SONHO? pergunto me freneticamente. - E eu não sei porque mas então você passou a dominar meus pensamentos e eu precisava me afastar, então logo me vi tomado de ciumes do Brian,
logo depois eu já estava te chamando de vadia para ter sua atenção, e eu fui mais longe beijando-te 
na casa do Zayn. E então eu te odeio princesa, eu te odeio pelo simples fato de você fazer eu sentir
que não te mereço, caralho amor, você acabou com o que eu acreditava. Você desfez a minha vontade de ter todas por uma noite e me fez querer te para sempre... o que você esta fazendo comigo? - Ele leva a mão a cabeça e parece atordoado, aliviado e preocupado com tudo que disse, minha boca ainda esta aberta. - Diga algo, por favor. 
eu: Eu... é... eu preciso ficar sozinha. - É a unica coisa que eu consigo pensar. E então desço as escadas sem olhar para traz. 

                                                                    Niall on. 

  Chego em casa com uma dor imensa. Então isso é sofrer por alguém que se esta apaixonado? MAS QUE MERDA QUEM INVENTOU ESSA BOSTA? Eu não me reconheço mais, quem é este ser repugnante que choraminga na minha cama por causa de mulher? Eu não a mereço ó céus, ela é boa de mais para mim. Mas eu juro, desta vez eu desisto. Foda-se essa droga de amor que as pessoas tanto precisam. Eu preciso é de uma noite qualquer com a primeira que abrir as pernas. 

  Adormeço magoado e torço para só acordar na hora de sair, sinto-me envergonhado de mais para ver qualquer pessoa que a minha frente.

O FIM ESTA PROXIMO                                                                                                                      

E ENTÃO O QUE ACHARAM PRINCESAS?

FLAWLESS 2º TEMPORADA - 1

| | | 9 comentários:


UM ANO DEPOIS

SKYLER P.O.V.

Em um ano Zayn conseguiu praticamente dobrar a empresa, incrível não é? Tenho que admitir que fico as vezes com muito orgulho, porque ele faz esse tipo de coisa que ninguém consegue acreditar.
Ao mesmo tempo... está sendo um inferno.
Ele não para mais em casa, comprou uma casa enorme, e eu acabei aceitando, afinal na época ele tinha acabado de passar por tudo aquilo por mim.
Mas eu pelo menos depois de recuperar a consciência voltei para o jornal, e também comecei a trabalhar muito, porém nunca fui ou vou ser como Zayn, minha diversão sempre fica em primeiro lugar.
O pior de tudo, é que quanto mais Zayn se foca no trabalho, parece que voltamos no tempo, e ele fica mais frio e ignorante. E porque eu ainda o amo acima de tudo? É a maior questão.
Cheguei em casa tarde e cansada, normalmente de quarta chego tarde.
Fui direto para o banheiro, tomei um longo banho quente e relaxante, depois coloquei uma shorts e um moletom.
Ouvi um barulho da porta sendo aberta, fui até a sala, e Zayn entrava em casa.
Olhei para o relógio, meia noite, que novidade - pensei comigo mesma.

- Oi, Sky - bocejou
- cansado? - perguntei
- muito
- vem aqui - o abracei
- o que fiz pra merecer esse carinho
- nada, só sinto sua falta

Ele correspondeu ao abraço e depois me beijou.

- desculpa - sorriu de canto
- poxa, Zayn... eu....
- ai, Sky, não vamos brigar, okay? - se afastou já começando a ficar nervoso


- na verdade eu só ia dizer que queria seu bem, e você precisa relaxar, mas esquece

Eu iria sair da sala, mas ele segurou minha cintura, e me abraçou. Me virei e o encarei séria.

- me solta, Malik
- Sky, foi mal, eu... to estressado
- e tem que descontar em mim?
- d...
- se você se desculpar de novo eu juro que te dou um tapa
- o que você quer que eu faça?
- não sei, Zayn - me afastei - mas me fala do que tudo isso adianta, eu fico muito feliz que você esteja crescendo mas... isso tá acabando com a gente, parece que... nesse ano a nossa relação se desgastou o que não tinha desgastado dois anos antes

Zayn me puxou pra perto, roçou seus lábios nos meus e me beijou.

- meu amor, calma - sorriu
- você tá me pedindo calma a meses
- tem razão... - suspirou - eu queria voltar no tempo... queria... ter tudo mais simples, eu odeio ter que admitir que do seu jeito é tudo mais certo


- sorri - meu amor, eu adoraria que do seu jeito também fosse o certo
- me fala o que eu faço então... você sabe que eu aceito perder tudo menos você

Já comentei que amar alguém feito o Zayn é complicado demais?
Por mais de toda malícia que ele sempre tem, as vezes ele consegue ser a pessoa mais inocente e adorável que tem, ao mesmo tempo.
Queria que ele largasse tudo, mas sei bem que tem algo que ele tem mais orgulho é a empresa crescendo cada vez mais.

- o beijei - tudo bem...  calma vai - sorri de canto - vamos nos preocupar com essas coisas depois, o ano tá acabando mesmo
- sei que talvez você não vá... o que é provável, mas no sábado a noite, se o meu último projeto der certo, vai ter uma grande festa
- hum... talvez eu vá por você - pisquei
- minha garota - beijou meu rosto
- sua nada, querido
- dona Skyler, para de ser marrenta - riu
- não sou marrenta
- nunca, magina - ironizou

Sorriu e beijou meu pescoço.

- nem sonha, Malik
- ah
- você está cansado e estressado, meu amor - pisquei

Caminhei até o quarto, e me deitei na cama.

Depois de um tempo, estava quase caindo no sono, mas senti Zayn se deitar ao meu lado. Estava de costas pra ele, mas senti sua mão acariciando minha cintura, indo até meu quadril.

- já dormiu? - perguntou baixo 
- não - respondi 

Me virei e lhe olhei nos olhos. 

- ainda está brava com isso não é? 
- já é quarta... Foca na sua festa - sorri de canto
- como foi no trabalho hoje? - perguntou 
- ótimo, fiz tanta coisa - ri baixo 
- eu aceito você trabalhando bastante, porque não pode fazer o mesmo por mim? 
- eu só chego tarde as quartas, e você todo dia, eu saio me divirto, e você fica no trabalho... Mas esquece, Zayn, talvez eu esteja muito errada - me virei 
- não faz assim, Skyler - me puxou pra perto - te amo ta? Ano que vem tudo vai mudar, prometo 
- tudo bem - respondi 

Ouvi sua risada baixa, e logo senti seu beijo no meu pescoço.

- você nunca vai deixar de ser marrenta e chata não é? 
- nunca - me virei - você me conheceu assim, insuportável, esqueceu?
- nunca esqueci, e você esqueceu que eu sou frio e focado no trabalho?
- você só é frio quando quer, Malik, isso eu não me esqueci
- to cansando, mais sem sono - mudou o assunto
- quer uma massagem?
- sério? - ergueu uma sobrancelha - o que aconteceu com a Skyler? - ironizou
- besta, quer ou não quer? não vou insistir
- claro que eu quero

Ele que já estava sem camiseta ficou de bruços, me sentei na altura da sua cintura, com uma perna de cada lado, e comecei a massagear suas costas.

- você pode ser chata, mas tem mãos de anjo
- me chama de chata de novo pra ver o que acontece

Ouvi ele sussurrar um chata. Continuei a massagem, sua minhas mãos até a altura no pescoço e apertei em um ponto que dói, e não demorou para que eu ouvisse seu grito de dor.
Apenas ri, e ele me derrubou na cama, ficando por cima de mim.

- achou engraçado é?
- Zayn...
- calma amor, só vou te fazer rir mais
- ZAYN!

Logo senti ele me fazer cocegas, e eu ri até não aguentar mais, quando estava praticamente implorando ele parou.

- ai minha barriga, vou morrer - reclamei
- exagerada - caiu na cama ao meu lado

DIA SEGUINTE
ZAYN MALIK P.O.V.

Estava na empresa, arrumando alguns papéis, porque teria que ficar arrumando papéis até Mark conseguir a secretaria que ele prometeu, já que a ultima se demitiu.
Ouvi algumas batidas na porta e permiti a entrada. 
Não prestei atenção, até que finalmente levantei o olhar, era uma mulher de cabelos curtos, um decote enorme, e uma saia que deixava bem amostra suas pernas.

- bom dia senhor Malik
- bom dia, você é...
- sua nova secretaria, Jesy 
- sobrenome 
- White 
- okay, senhorita White, já tenho um serviço pra você, arrume esses papéis pra mim 
- claro 

Ela se abaixou bem na minha frente e pegou os papéis, bem desnecessário, ela é gostosa tenho que admitir, mas nunca fui o tipo de cara que me atraio muito pelas atiradas.

- ah senhorita White 
- sim?
- use blusas mais fechadas 
- o senhor não gosta? 

O que essa garota queria? - me perguntei. 

- não, a não ser que seja na minha mulher, aqui é um ambiente de trabalho
- tudo bem - assentiu 
- e... Mesmo que você tenha acabado de chegar tem uma festa na empresa sexta a noite, se quiser vir 
- o senhor vai estar? 
- claro 
- então também vou estar - sorriu e saiu 

Primeira coisa que me veio a mente foi que ela não duraria muito nessa empresa. E segundo, vou matar o Mark.
O chamei na minha sala, e não demorou para que ele entrasse.

- e aí, Zayn - se sentou 
- e aí nada... Onde você arrumou essa secretaria, em um filme pornô? 
- ela é gostosa não é? - riu 
- eu to falando sério com você, Mark, entao é bom parar de rir 
- desculpa 
- melhor procurar outra porque essa não vai demorar muito aqui 
- Malik, quem nunca pegou a secretaria? 
- ta mas tem um grande detalhe, eu tenho uma mulher 
- Skyler nem aparece aqui 
- você acha que eu quero trair a Skyler? Não, não quero... Então é bom essa garota se recompor, porque acho que não vai durar duas semanas aqui 
- só isso? 
- sim, pode sair 

Mark saiu e eu soltei um suspiro alto, parece que ultimamente só os negócios estão ao meu favor, porque o resto está contra mim.

NARRADOR P.O.V.

Mark saiu da sala, e foi direto para a mesa da Jesy, nova secretaria.

- como foi? 
- nada - respondeu - nem uma cantada, olhada, se quer saber ele brigou comigo
- que merda, bom você dar um jeito nele porque o Diamond ta pegando uma grana alta, e meu trabalho de te colocar aqui eu já fiz 
- okay... Essa festa que vai ser sexta, melhor amanhã, vou dar um jeito 
- o que vai fazer? - perguntou 
- sorriu - isso é surpresa 
- enquanto Malik da uma de fiel, passa na minha sala depois - piscou 
- o mais rápido que eu puder...

A secretaria não passava de mais um plano que Diamond tinha de afastar Zayn de sua filha.
Enquanto isso, Skyler escrevia seu texto para capa do jornal.

- Sky, já passou do horário de almoço 

Emily, se tornou sua nova melhor amiga depois que entrou no jornal.

SKYLER P.O.V. 

- to terminando Emi - disse enquanto digitava 
- é bom esse texto ficar ótimo, se não você me paga um almoço 
- e salvei... Ficou ótimo sim - piscou 
- vamos almoçar agora? 
- vamos no Mac hoje? Só uma vez na semana por favor 
- revirou os olhos- tudo bem! Mas vamos logo 
- okay, porque tenho que voltar pra corrigir esse texto - disse andando até o elevador 
- você é diretora, pode pedir pra alguém
- eu gosto, é meu trabalho - piscou - agora vamos porque necessito de um bigmac
- você e suas gordices - reclamou enquanto pegava a bolsa
- que bom que me conhece - ri e chamei o elevador


Entramos no elevador, e depois andamos até o Mac mais próximo. Ao entrar fizemos os pedidos, e não demorou muito para que pegássemos nossos lanches.
Procuramos uma mesa e sentamos.

- ah, acho que vai ter uma festa na empresa do Zayn, na sexta, se quiser ir
- adoraria, mas vou ter que viajar correndo  na sexta, ajudar meu pai com a nova casa dele
- ah, entendi
- falando em pai, e o seu?
- está muito bom, estou até desconfiando
- deve ser horrivel ter que desconfiar do próprio pai
- é horrível - respondi enquanto comia - mas depois de 3 anos, até que me acostumei um pouco
- e a relação com o Zayn? ainda está naquele mais ou menos
- eu amo ele mas... esse trabalho sempre entra no meio de tudo, não me importaria se interferisse um pouco, mas é em quase tudo,porém ele disse que ano que vem tudo muda, então, vou dar um voto de confiança
- queria ir nessa festa pra encontrar o Niall - riu
- você gostou mesmo dele em
- claro, ele me levou pra sair depois daquela vez, e foi tudo perfeito, porque ele é divertido, bonito...
- iiiih, apaixonada Emi?
- não, não...
- sei - ri - mas o Niall é muito legal, o problema é que ele é mulherengo


- suspirou - e que homem não é? - brincou

Acabei rindo novamente e terminando meu lanche.

A NOITE -

Voltei pra casa, as luzes estavam acesas então por um milagre Zayn tinha chegado mais cedo que eu hoje.
Larguei minha bolsa no sofá, e fui até a sala de desenho onde pude escutar uma música vindo de lá.
Ao chegar, Zayn estava sentado no chão, apenas de calça desenhando algo, fiquei feliz, porque fazia um bom tempo que ele não desenhava.

- Zayn? - o chamei
- ah - sorriu e desligou a música - cheguei mais cedo hoje


- podia ter falado, tentava dar uma escapada do trabalho - me aproximei
- não tem problema, na verdade queria chegar antes pra terminar um presente que eu fiz pra você
- o que é? - perguntei

Ele virou o caderno que tinha em mãos e me mostrou o desenho.
O desenho era metade do meu rosto, eu sorria, e ele havia pintado apenas os meus olhos azuis.

- ficou lindo - me sentei do seu lado
- eu ia deixar mais bonito etc, mas na verdade é um rascunho, porque vou desenhar você na parede, ao lado do desenho do olho da minha mãe - me encarou - mulheres mais especiais da minha vida uma do lado da outra - riu
- ah - sorri - isso é.. perfeito Zayn, obrigada


- mereço só um obrigada? - perguntou

Ri e me aproximei dele depositando um beijo em seus lábios, logo o beijei de verdade,e  pude notá-lo sorrir.

- adoro seus agradecimentos - comentou


- ah é? - me levantei - mas eu nem comecei a agradecer - sorri maliciosa

Saí de lá e andei até o quarto, não demorou muito para que Zayn chegasse, se aproximou de mim e me beijou. Me empurrou até a cama, e desabotoou minha blusa, fiquei por cima dele sentada em seu colo, e me livrei da blusa a jogando em qualquer canto, e voltei a beijá-lo, depois ele beijou meu pescoço, enquanto desabotoava meu shorts, deslizei minhas mãos sob seu peitoral, até seu pescoço e seus cabelos. Tirei sua calça e voltei beijando seu peitoral, ele ficou por cima de mim, e se livrou do meu shorts, Deslizou suas mãos pelas minhas costas até meu sutiã e também o tirou. Assim como fez também com minha calcinha. Não demorou para que eu o sentisse dentro de mim, ele acelerou os movimentos e olhou em meus olhos. Depois me beijou. Chegamos a ápice, e ele caiu ao meu lado na cama, me cobri e fechei meus olhos enquanto recuperava minha respiração.
Zayn também se cobriu, e me abraçou beijou meu rosto. Abri meus olhos e olhei pra ele. Ele sorriu e acariciou meu rosto, depois beijou minha testa.

- tenho que tomar banho, mas agora fiquei com preguiça
- fica aqui mais um pouco - me beijou e sorriu

Deslizei minha mão sob seu ombro, onde antes tinha cicatrizes, foram cobertas pelas tatuagens, que por um acaso são várias.

- gosto das suas tatuagens - comentei 
- que bom porque sempre faço uma nova - riu 
- sei bem disso - me sentei 
- fica mais um pouco 
- não - ri 

Puxei o lençol pra me levantar, ele tentou segurar mas eu fui mais rápida e corri até o banheiro, larguei o lençol no chão, e entrei no box, tomei um banho relaxante, depois voltei pro quarto, não demorou para que Zayn aparecesse provavelmente foi tomar banho no outro banheiro. 
Me encarou e sorriu.

- amanhã da uma olhada nas suas coisas comprei umas coisinhas pra você usar amanhã - piscou 
- me deixou curiosa 
- sei bem - riu 
- mas vou olhar amanhã, porque agora só quero deitar e dormir - me deitei na cama 
- milagre do jeito que você é curiosa - se deitou do meu lado 
- cansaço venceu minha curiosidade - ri baixo 
- desligou a luz - então boa noite 
- boa noite

Fechei meus olhos, Zayn me abraçou e eu acabei adormecendo.

continua...

♠ Rocket Love- Capítulo 17: Não sou eu.

| | | 10 comentários:
~ Angel ON~ 



Eu estava esquisita por dentro. Um desejo incessante que nunca pensei que teria, coisas melosas passaram pela minha cabeça, passeios no parque de mãos dadas, ver o pôr do sol ou quem sabe olhar as estrelas. Tive nojo de mim mesma porque isso, esses pensamentos não são e não podem ser meus, não tem nada a ver comigo. Mas sim eu os tive. E só conseguia enxergar uma pessoa ao meu lado. Justo uma pessoa que provavelmente e com todos os motivos me odiava. Não tinha volta. Liam nunca iria gostar de mim como eu... sinto que gosto dele.

Não consegui aceitar que é real, que o que eu sinto é amor ou paixão ou sei lá o que. Só acordo todos os dias esperançosa de levantar, ir tomar café da manhã, cruzar com aquele otário e não sentir absolutamente nada. Isso nunca aconteceu e parece que está longe de ocorrer. Para minha desgraça.

Ninguém pode sonhar que isso existe, apesar de eu ter vacilado e dado provas de que tinha algo rolando. Afinal eu o beijei. E outro beijo aconteceu porém sem dúvidas foi apagado junto com a cura da ressaca.
Comi os biscoitos que Payne me deu. E ele não apareceu para eu dar minha recompensa. Óbvio, está mais do que na cara de que ele é certinho, e usar drogas ou beber não é sua praia.

É a minha. Foi um jeito que encontrei de sair desse inferno de lugar mesmo sem mover nem alguns centímetros para longe. Eu vou para a Lua e volto sem ter que cruzar os portões.

As férias estavam apenas começando e eu já sentia todo o vazio. Um vazio que era agradável e ao mesmo tempo perturbador. Pensamentos negativos visitavam minha mente e como sempre minhas noites eram cansativas e dolorosas.

Certo dia estava na minha janela olhando para a lua cheia que preenchia o céu, não era um hábito meu fazer isso, mas como não conseguia dormir, decidi fazer isso dessa vez, já que visivelmente não apareceria nenhum inspetor para gritar e perguntar o que eu estava fazendo acordada às três da manhã.

Então o vi. Ele estava com seus cabelos úmidos, deduzi que voltava da piscina. Naquela hora. Naquele sereno. Se ele pegasse um resfriado? Me soquei internamente por me preocupar com alguém que eu lutava a cada minuto para esquecer. Eu era um fracasso. Percebi isso quando impulsivamente assobiei, ganhando sua atenção com aquele par de olhos castanhos olhando para mim.

Liam cerrou os olhos e acho que deve ter parado por uns trinta segundos antes de caminhar para mais perto da minha janela.

- Por que não está dormindo? Por acaso está me vigiando? - o jeito que ele falou, era tão rude. Queria socar a cara dele.

- Você está louco seu estúpido? Por que eu faria isso? - eu respondi mais grosseira que ele.

- Não sei, talvez porque você seja uma louca, uma assas...- meus olhos se arregalaram. Minha circulação deve ter parado. Me senti fraca. Senti meu estômago revirar.

Assassina... Ele ia me chamar de assassina e o jeito que ele falou. Fechei meus olhos e acho que foi o momento que mais tive que ser forte de verdade em muito tempo. Fechei minhas mãos em punho.

- Vai fazer o que? Me matar? - Disse debochado. Foi o bastante.

Pulei minha janela com rapidez. Perdi os sentidos, como nos inúmeros acessos de raiva que tive na minha vida. Quando dei por mim já estava com minhas mãos agarradas naqueles cabelos, eu empurrava e jogava a cabeça dele contra o chão. Ele gritava insultos e eu nem me importava em escuta-los. Só queria descarregar toda a dor que ele estava me fazendo sentir.


- Eu sei de tudo. - ele gritava e eu continuava sem controle- Você matou uma pessoa. Sua assassina. - eu comecei a enforca-lo mas ele segurava minhas mãos com força- Por isso que sua família te mandou para cá, quem você matou? Seu irmão não foi?

Em determinado momento não pude mais. Foi como me jogar em uma vala comum. Quem era aquela garotinha? Com os sentimentos feridos? Quase chorando na frente de alguém? Não podia ser eu. Mas infelizmente era. Joguei meu corpo para o lado caindo sobre o chão frio, senti frio, afinal só estava com um moletom e meu shortinho.

Abracei minhas pernas e então já não sabia o que diabos era aquilo que já tinha invadido todo meu corpo. Era uma dor. Uma dor que incomodava minha garganta e então eu chorei. Chorei de verdade. Como a tantos e tantos anos não tinha feito. Eu fazia até barulho e não conseguia evitar, foi como uma avalanche de acontecimentos vindo a tona, tudo o que eu não chorei em anos vindo e justo ali na frente do garoto que eu secretamente gostava... Não podia ser pior. Na verdade, poderia. E ficou, assim que senti suas mãos geladas tocarem meu ombro. Se eu tivesse forças provavelmente acabaria com a sua vida naquele momento. Mas não deu. Somente fiz um gesto que deixava claro que eu o queria longe. Acho que foram dez minutos naquele chão frio, com a cabeça entre meus joelhos e somente lágrimas desciam. Sentia a presença de Liam ali e isso me destruía.

- Sai daqui! Sai agora - falei e me arrependi na hora, minha voz embarcada só deixa ainda mais claro de que eu era uma bobona chorona.

- Não. - ele disse firme. Eu pressionei meus olhos com tanto ódio. - Eu quero saber a verdade.

Então eu o olhei. Quem ele pensava que era para exigir algo de mim? Passei minhas mãos nos olhos, provavelmente vermelhos. Respirei fundo.
Me levantei devagar. Só queria sumir. Esse foi sem duvidas o momento mais embaraçoso da minha vida.

- Angel... - foi doloroso ouvir ele falando meu nome daquela forma. Podia sentir a pena no seu tom e era humilhante.


Parei de costas para ele e poucos segundos depois senti suas mãos envolverem meu corpo. Pronto. Desabei novamente. Obrigada emoções por me abandonarem durante quinze anos da minha vida e aparecerem inconvenientemente agora.


- Não chora. - Foi muito rápido, meu corpo foi virado e logo eu estava abraçada à Liam. Daquele jeito não parecia que eu era o perigo, ninguém imaginaria que eu batia nele. Seus braços pareciam tão fortes e protetores.

Não sabia o que era aquilo ou por que ele estava fazendo aquilo sendo que a poucos minutos atrás tinha me xingado... Mas não quis perguntar, só me permiti alguns minutos de fraqueza. Não me importei se era pena, sabia que era, a sensação de estar envolvida por ele era ótima.

- Aqui está frio. Vamos entrar. - ele disse e eu só fui guiada até meu quarto.

Olhei no relógio digital do meu quarto. Já eram quase quatro horas da manhã. Entramos e ele fechou a porta, nos sentamos na minha cama. E o silêncio reinou. Graças ao bom lord, já não chorava mais.
Ele sentou na ponta e eu em outra extremidade.
Não sei porque eu comecei a falar, mas somente o fiz.

- Eu tinha 13 anos... - falei baixo e ele me olhou como se não esperasse mesmo por aquilo e nem eu... - Não sabia o que estava fazendo, eu só queria acabar com aquilo e... - minha voz embargou de novo. Mas que droga. - Você não entenderia.

Logo sinto ele se aproximar mais.

- Quem foi? - ouvi quase um sussurro de sua boca.

- Meu padrasto. - olhei para ele profundamente.

- Por que? - seus olhos eram cuidadosos.

Eu só consegui balançar a cabeça, não que eu não soubesse o porquê. Sabia e essa dor me deixava sem palavras, era algo insuportável. Sufocante.
Após alguns minutos, Liam se levantou.

- Você precisa dormir. - ele disse. Realmente ele não fazia ideia. - Deve estar com sono.

- Faz anos que não durmo uma noite completa. - as palavras escapuliram da minha boca outra vez, como se ele realmente quisesse saber.

- Naquela noite você dormiu. - Sim, naquela noite eu estava chapada... e tinha você do meu lado.

- Pode ir, não precisa ficar aqui comigo. - eu disse. E fiz um gesto com a mão em direção a porta.

- Eu fico, se isso te ajuda a dormir. - ele falou e se sentou na minha poltrona. - Você toma remédios para insônia?

- Não, eles me deixavam sonolenta durante todo o dia, parei de tomar. Olha Liam, se quiser, pode mesmo ir...

- Acho tão louco quando me chama de Liam... - ele falou do nada.

- É o seu nome não é? - falei quase grosseira mas com um pingo de humor.

- Eu sei - ele sorriu abaixando a cabeça - Só é estranho, como tudo que aconteceu entre nós nos últimos dias. - Sim, disso eu não podia discordar dele. Balancei a cabeça positivamente.

- Acho que o efeito da maconha nunca vai passar. - dei um sorriso de canto.

- Eu espero que não. - ele me devolveu com o mesmo sorriso tímido.

Okay. Agora eu não sabia mesmo o que fazer, fiquei olhando para ele por alguns segundos e então me deitei na cama, olhando para o teto. Não sei quanto tempo levou mas adormeci.



Acordei assustada. Cheguei a cogitar que tudo havia sido um sonho porém logo o vi dormindo completamente desajeitado na minha poltrona. Por que? Por que ele não foi embora logo que eu dormi?
Segui na ponta do pé para o banheiro. Olhei meu reflexo no espelho, os olhos inchados... Decidi tomar um banho.

A água do chuveiro bateu e foi como se me renovasse, aquela madrugada foi algo completamente sem nexo, sentimentos aparecem e eu nem sabia de onde eles vinham ou o que eles significavam.

Saí de toalha e lá estava ele recém acordado. Não sei o que me deu, mas me curvei e dei um beijo em sua bochecha dizendo um ´´bom dia´´ logo depois. Devo ter sido abduzida e tem uma extraterrestre melosa tomando conta do meu corpo.

- Bom dia. - ele me respondeu com um os olhinhos ainda meio fechados. - Agora eu vou, fiquei feliz que você dormiu.

Somente foi andando para a porta e antes de sair disse ´´nos encontramos no almoço.´´

O tom dele não era do tipo ´´Vamos em um encontro romântico? ´´ Mas eu me senti como se fosse, estava nas nuvens. Sou uma idiota. Devem ter jogado macumba em mim.
Vesti um short jeans e uma blusa de manga comprida. Estava um dia ensolarado e o calor já era grande naquela altura da manhã. Como dormi muito pouco, decidi dormir mais e acordar somente no almoço.

Acordei com meu despertador indicando uma da tarde, levantei, me estiquei, encarei minha figura no espelho, aquela touca... Decidi deixa-la no quarto, deixei meus cabelos soltos, os cachos revoltosos até que estavam simpáticos.

Assim que chego no silêncio e tranquilidade e vazio que estava o refeitório, vejo umas três pessoas já almoçando e uma se servindo, assim como eu que peguei minha bandeja e comecei a fazer meu prato. Estava morrendo de fome.

A comida nas férias era sempre agradável, era feito em muito muito muito menos quantidade e por isso caprichada. O almoço era um risoto de arroz com ricota, salada verde, creme de milho, tomates frescas, frango assado ao molho agridoce e para beber, suco de amora. Eu adorava.

Meu prato ficou imenso. E logo um certo alguém apareceu para implicar com aquilo.

- Nossa, por que não leva logo a panela? - a voz doce e brincalhona de Liam surgiu atrás de mim. Acho que ele nunca havia feito nenhum brincadeira assim comigo.



E eu sorri para ela. Eu sorri... Sim, eu sorri. Como se ali não estivesse uma vítima e a ameaça, o lobo e o cordeiro, a caça e o caçador. Não éramos mais nós, posso estar enlouquecendo mas parece que estamos envolvidos em algo novo.

Nós almoçamos juntos. Lado a lado.

Em silêncio na maior parte das vezes, eu não tinha assunto com ele... Acho que nossas conversas sempre foram tensas e estar ali mastigando na frente dele já me deixava meio nervosa e esquisita.

Estávamos de barriga cheia andando pelos jardins... E então a minha maldita boca começou a falar.

- Eu sei que não gosta de mim... - sim, eu disse isso e depois quis sair correndo, ele deu uma gargalhada.

- Nós não somos bem o que se chamaria amizade fofinha né? - ele riu - Mas você não é tão ruim quanto quer que achem que é... - É, eu sou uma idiota fraca.

- Não ache que eu sou uma otário chorona, ontem foi só... - eu travei - pesado demais... - continuei falando mais baixo.

- Okay. Não vamos mais falar sobre isso, vamos aproveitar nossas férias. - ele olhou para mim e segurou em minha mão.

Um choque intenso percorreu meu corpo e eu somente me livrei daquele toque. Será que... Não, ele não pode gostar de mim também. Como isso pode ser possível?
Passamos uma tarde agradável apenas falando sobre assuntos triviais, a vida no internato, os professores, um pouco sobre o clã e sobre quem o usava, nada demais. Porém para mim já era grande coisa.

Sei que ele tem namorada e aparentemente gosta dela, mas nos beijamos e se depender da minha vontade, vai acontecer outra vez.


~Malu ON~



Peguei toda a comida que conseguia e coloquei no quarto. Porta trancada. E o barulho do chuveiro. Não, não era um sonho. Harry estava ali na minha cidade, no meu bairro, na minha rua, na minha casa, no meu quarto. Estou a ponto de pirar com isso. Minha família está demorando e que ótimo que está, assim posso ficar tranquila.

Quando ele sai do meu pequeno banheiro, usando apenas uma toalha cor de rosa minha, acho que podia voar. O jeito que o cabelo dele estava úmido e jogado para trás. Parecia mais um deus grego. Quis voltar para o chuveiro com ele e fazer as maiores loucuras mas aí lembro de que eu não tenho a menor ideia de como fazer tais loucuras.

- Esqueci de levar minha roupa. - ele disse com a carinha sapeca.

- Pode se trocar aí, prometo que não olho - me virei e tampei meus olhos com a mão.




-Não tem problema, pode olhar se quiser - ele riu e eu posso ouvir quando a toalha é retirada do seu corpo.


Aquilo fez partes minhas vibrarem, ahh Harry Styles você não tem ideia do poder que tem sobre mim. Só de ouvir aquela voz rouca brincando com meus sentidos e sentimentos, já sou abalada profundamente.

- Menina boazinha. - ele sussurra no meu ouvido, abraçando minhas costas e libertando minhas mãos que ainda pairavam sobre meus olhos.

- O que quer fazer agora? Podemos ver um filme ou uma série - eu sugeri

- Que tipo de filme? - ele olha para mim malicioso.

Nossa... Naquele momento eu sei que minha mãe me internaria em um Convento se apresentasse Harry como meu namorado. O genro perfeito para ela, só que nunca.
Dou um tapa no braço dele de leve e me levanto, pegando a caixa dos DVDs.
Não vou mentir que fiquei irritada com as risadas dele pelos filmes que tinham ali.

- Só tem desenho e filmes chatos da Disney - ele reclamou. - Que série você tem?

Mostrei os boxers de Jonas L.A, Sunny entre estrelas, Hanna Montana e Boa sorte, Charlie e ele debochou mais ainda de mim. Desculpa se minha mãe não me deixa assistir uma série legal e descolada. Ela até proibiu Hanna Montana, porque segundo ela fazia apologia a mentira, só porque a menina tinha duas faces. Mereço. Eu escondi o dvd porque sou rebelde.

- Tudo bem, não sabia que gostava dessas coisas, mas podemos assistir, alguns eu até posso gostar - ele falou percebendo que não estava entrando na onda da brincadeira.

- Harry, tem algo que precisa saber sobre mim e a minha família. - falei séria.

Ele se sentou bem em frente a mim me olhando atentamente.

- Eles são muito religiosos, demais até, minha mãe é uma dessas fanáticas e tudo isso respinga na minha vida. Eu preciso ser um modelo de garota. E como não sou, fui mandada para o Internato.

- Por que nunca me disse isso? Espera... Todas aquelas históris que contou... De festas, baladas...

- Não, não eram verdade. - eu abaixei minha cabeça - Eu devo ser a pessoa mais chata e entediante do mundo inteiro.

- O que? Não diga isso May, você não precisa de tudo isso para ser legal e adorada. Mentir para seus amigos? - ele balançou a cabeça em reprovação.

- A gente não era tão amigo assim quando falei isso, e sei lá, você e Louis eram tão descolados... Não quis ser o peixe fora d'água.

- Eu descolado? Você realmente não tem noção do que fala... - ele falou e por um momento o vi se distanciar muito...

Muito mesmo. Como se ele fosse transportado para outro lugar.





- Harry, no que você está pensando?

- Na minha vida... Antes de ir para Wolverhampton...

Realmente, eu não sabia direito do porquê dele ter ido para lá.

- O que houve? - perguntei e ele parou e me encarou, com os olhos perdidos, tristes e de certa forma ofendidos.

CONTINUA...

Comentem e como o prometido posto mais e mais <3


Gardênia - Cap - 32

18 de dezembro de 2014 | | | 11 comentários:
Recomeçar


Anteriormente

 Ela se enrolou tanto no meio das cobertas que parece que ia para o pólo norte. Sorri uma ultima vez e apaguei a luz me deitando ao seu lado. Consegui me enfiar em baixo das cobertas também e abracei sua cintura sentindo o calor de seu corpo. E foi assim pelo resto da noite, nunca pensei que dormir de conchinha seria tão bom. Na verdade nunca pensei em levar uma garota para o meu quarto, muito menos para apenas dormir com ela. Mas com (Seu Nome) é diferente, tudo com ela é diferente e mais bonito. Como se chama isso mesmo? O nome daquilo que tudo o que a pessoa faz e fala é lindo pra você mesmo que não seja para os outros e cada gesto seu é mais valioso do que a sua própria existência? Oh é mesmo! Amor.


Agora

Harry P.O.Vs

           Acordei sentindo uma coceirinha na ponta do nariz. Abri os olhos e vi os longos cabelos de (seu Nome) no meu nariz, inalei seu cheiro e logo sorri percebendo o quanto eram cheirosos, o quanto eu queria passar o dia todo ali abraçado com ela sentindo o perfume de seus cabelos. Tirei um pouco dos seus cabelos do meu rosto e ela se mexeu ficando de frente pra mim, mas ainda dormia. Seu rosto angelical estava mais lindo que nunca. Como ela pode ser linda até dormindo? Eu aposto que pareço um buldogue quando estou dormindo. (Pois eu aposto que não! kk)

         Afastei uma mecha de seu cabelo que estava caído em seu rosto e sorri quando ela fez careta. Eu não reclamaria de acordar todos os dias ao seu lado pelo resto da minha vida. Acariciei sua bochecha com o indicador e dei um selinho em seus lábios. Ela sorriu ainda de olhos fechados e eu falei:

- Hora de acordar princesa. -sorri-
- Ah não Harry por favor... -falou manhosa e quase apertei suas bochechas-
- Ah sim (Seu Nome) por favor... Estou morrendo de fome!
- Pode ir comer e me deixar aqui dormindo que tal? -sugeriu ainda de olhos fechados-
- Não vou sair daqui sem você, sem chance.
- Mas eu quero dormir! -reclamou-
- E eu quero comer! -reclamei de volta-
- A cozinha tá la em baixo. -falou naquele tom de "ta futricando o que aqui ainda?"
- Mas você ta aqui em cima! -retruquei-
- Mas eu não tenho comida pra você! -falou vitoriosa-
- Então ta! -falei- Se é assim que você quer. -falei me levantando-
- Sério? -perguntou incrédula-
- O quê? 
- Vai mesmo me deixar dormir? -agora seus olhos estavam abertos e ela me olhava desconfiada-
- Não é isso o que você quer? Então sim.
- Ta bom... -concordou ainda desconfiada-

        Eu peguei uma camiseta no guarda-roupas e voltei a falar:

- Sabe o que minha mãe fazia quando eu não queria acordar para ir pra escola?
- Não Harry. -falou com aquele mal humor matino de quem quer voltar a dormir logo- O que sua mãe fazia?
- Não parece querer saber mesmo. -falei-
- Fala logo Harry. -sua voz já parecia tomada pela sono e eu quase voltei atrás e deixei ela dormir, quase-
- Cócegas!

        Falei pulando em cima da cama e começando a fazer cócegas nela. Ela começou a gargalhar e se debater em baixo de mim e eu gargalhava junto.

- Para Harry para. -gargalhou- Eu vou acordar, vou acordar.
- Posso confiar em você? -perguntei dando uma pausa e olhando em seus olhos-
- É claro que pode!
- Não sei não, precisa ser mais convincente. -falei fazendo cócegas de novo-
- Eu faço qualquer coisa! Eu vou morrer. -gargalhou-
- Então diz que eu posso confiar em você porque você jamais mentiria pra pessoa mais linda e cheirosa do mundo.
- Isso é sério? -gargalhou-
- Super sério. Ou você quer que eu continue com as cócegas no nível master?
- Não! -gritou rindo- Eu jamais mentiria pra pessoa mais linda e cheirosa do mundo. Pronto chega.
- ... Que por sinal é o amor da minha vida e teremos uma dúzia de filhos juntos.
- Pera aí uma dúzia não! -protestou-
- Ataque de cócegas master começando em 3.... 2....
- Ta bom ta bom! Que por sinal é o amor da minha vida  e teremos uma dúzia de filhos juntos, trinta, cinquenta quantos você quiser, vamos povoar a terra. Agora pelo amor de Deus para.
- Agora me dá um beijo. -pedi fazendo biquinho-
- Quantos você quiser. -sorriu e passou os braços sobre meu pescoço me puxando pra um beijo-

(Seu Nome) P.O.Vs

            Me levantei da cama e falei para Harry:

- Eu não trouxe minha escova de dentes. Tem alguma que eu possa usar?
- Pode usar a minha se não se importar, é unica que tem no banheiro.
- Não me importo. -falei indo em direção ao banheiro-
- Vou me trocar enquanto você escova os dentes.
- Okay.

          Entrei no banheiro do quarto de Harry e escovei meus dentes rapidamente, afinal, eu admito também estava faminta. Fiz xixi e lavei as mãos, então saí pra fora do banheiro e dei de cara com Harry só de cueca. Soltei um gritinho fino:

- Ah Meu Deus me desculpa. -tapei os olhos com a mão desesperada e morrendo de vergonha-

           Harry começou a rir e eu realmente não entendo qual era a graça daquela situação, será que ele conseguia ver minhas bochechas coradas? 

- Pronto já pode abrir os olhos. -ele falou depois de algum tempo de riso-

         Abri os olhos devagarzinho.



          Ele já tinha colocado um short mas eu ainda tinha a visão de seu peitoral que estava exposto.

- Ah não posso não! -falei tapando os olhos de novo-
- Porquê não? -perguntou confuso-
- Harry! Você tá aí todo peladão na minha frente. -falei sem graça-
- Você não me viu pelado ainda. -riu- Olha pra mim. -pediu-

         Balancei a cabeça negativamente e senti que ele se aproximava de mim. Harry me segurou pelos ombros e pediu de novo.

- (Seu Nome)? Olha pra mim.

          Abri os olhos e olhei seu peitoral de fora e rapidamente me foquei em seus olhos.

- Isso é a coisa mais normal do mundo. -falou- Se eu quiser andar assim na rua vão achar estranho pela minha idade que não sou mais um moleque, mas é normal ficar sem camisa dentro de casa. Ninguém liga.
- Sério? -perguntei-
- Sim, está sentindo vergonha atoa. -sorriu-

          Ele me abraçou e senti uma coisa estranha no meu ventre assim que minha mão tocou sua costas nua. O que é isso? (Isso se chama prazer sua safadenha rsrs).

- Vamos comer?
- Vamos. -sorri-

           Descemos para a cozinha e todos os meninos estavam em volta da mesa sentados, e todos sem exceção de nenhum, estavam sem camisa. Isso deve ser super normal mesmo, mas mesmo assim fiquei um pouco envergonhada.

- (Seu Nome)? -perguntou um desconfiado e logo reconheci sua voz, era Niall-
- Oi. -acenei sorrindo-
- Dormiu aqui? -esse era Louis, minha memória é muito boa-
- Uhum. -balancei a cabeça afirmando-
- Com o Harry? -perguntou o moreno, Zayn, com um olhar desconfiado. Não entendi porque.-
- Sim. -falei calmamente- Porque?
- Nada não. -respondeu dando de ombros e colocando um pedaço de torrada na boca-
- Então ta. -sorri-
- Hey, lembra de mim também não é?
- Sim, você é o Liam. Como poderia esquecer do garoto que fez a melhor macarronada da minha vida?
- Diz porque ainda não experimentou a minha. -Harry falou mal humorado-
- Harry contou que agora você enxerga. -Liam falou- Consegue nos reconhecer pela voz?
- Com certeza, mesmo que a gente só conversou uma vez eu tenho uma ótima memória. Você é Liam e aquela ali do canto da mesa é o Louis, o moreno desconfiado é o Zayn e o que tem rostinho de bebê é o Niall. -sorri-
- Não sei se considero isso um elogio. -falou Niall pensativo-
- Pode considerar. -sorri-
- Está com fome?
- Se estou com fome? Estou faminta!
- E ainda queria ficar dormindo. -Harry revirou os olhos e depois sorriu-
- A gente passou a noite toda em claro praticamente, queria o que? -perguntei e ouvi uns risinhos abafados- Que foi? -perguntei me virando para os meninos-
- Não liga pra eles não amor, são uns idiotas. -Harry falou puxando uma cadeira pra mim sentar e sentando-se ao meu lado-

           Peguei uma torrada na tigela e Harry me serviu um copo de suco de laranja, também tinha ovos mexidos mas fiquei só com a torrada mesmo. O silêncio estava dominando o lugar o que deixava um ar um pouco constrangedor. Mas então Louis se manifestou:

- Então passaram a noite em claro? -sorriu de forma estranha-
- É vocês nem imaginam, foi uma loucura! -respondi-
- Ah acredito que foi! -Zayn falou- Harry não costuma decepcionar!
- Já experimentou Zayn? -Niall perguntou-
- Vai à merda Niall! -e tacou uma torrada na testa de Niall-
- Você se entregou Zayn. -Liam disse- Não adianta negar!
- Negar o quê? -perguntei-
- Que o Harry traiu o Louis com o Zayn. -Niall respondeu-

           Arregalei os olhos e vi que Harry batia com a cabeça na mesa parecendo querer se matar.

- Estamos brincando (seu Nome). -Liam sorriu-
- Vocês estão assustando ela. -Harry falou sorrindo-
- Não estou tão assustada, só queria saber qual é o motivo de tanta graça. -falei-
- Eles estão pensando que a gente dormiu junto. -Harry respondeu-
- Ué. -falei- Mas a gente dormiu junto. Porque isso deveria ser engraçado?
- Ham... Deixa quieto. -Harry falou coçando a cabeça atordoado-

          O celular de Harry começou a tocar e ele correu pra atender. Enquanto isso terminei meu café e fiquei conversando com os meninos sobre tudo o que havia acontecido na noite passada. Desde o momento em que vi Nana entrando naquele galpão até a parte em que descobri minha mãe de verdade e vim embora com Harry. Quando terminei a história, Harry voltou para a cozinha já vestido devidamente e falou:

- Era Jason, sua mãe não parou de enchê-lo pra me ligar e se saber se você estava bem e a que horas iria pretendia ir pra sua nova casa.
- Ham... Acho que posso ir a qualquer hora.
- Ah fica mais um pouco. -pediu Niall- O papo ta bom.
- Realmente. -falei mordendo o lábio inferior- Mas eu preciso mesmo ir, não faço ideia de que horas são agora e preciso ajeitar minha vida de novo.
- São uma da tarde. -respondeu Zayn-
- Uma da tarde? -perguntei horrorizada- Tomamos café da manhã às uma da tarde? Era pra estarmos almoçando já!
- Sabe você tem razão. -Niall falou- Vou encomendar o almoço.
- Mas agora a gente já acabou de comer. -falei rindo-
- Eu sei. -respondeu- Mas tava meio fraquinho esse café da manhã. -falou passando a mão na barriga como se ainda sentisse fome-
- Ta bom. -sorri- Você vai me levar pra ficar com a minha mãe? -perguntei me dirigindo à Harry-
- Ah não, Jason vai dar o endereço e ela mesmo vem te buscar pra já ficar sabendo onde eu moro.
- Porque ela precisa saber onde você mora? -perguntei-
- Jason falou que ela quer ter certeza de que se eu te magoar ela vai poder me falar umas poucas e boas. -ele fez uma careta sorrindo-
- Parece que você está mal com meus pais. -tirei sarro rindo-
- Hey! Eles ainda não me conhecem direito, vou conquistá-los com um dia apenas.
- Boa sorte então.

Harry P.O.Vs

           (Seu Nome) tinha acabado de ir embora e eu me deitei no sofá da sala mexendo no meu twitter. Eu estava tranquilo até que os meninos vieram da cozinha com aquele tipo de risinho debochado que eu odeio quando eles fazem. Revirei os olhos e perguntei:

- Qual o motivo da graça?
- Você é o motivo da graça. -Niall falou-
- Ah é? E posso saber porque?
- Dormiram juntos mas não fizeram nada? Isso é hilário principalmente pra você. -Zayn respondeu-
- Ainda não consigo encontrar a graça. -falei mal humorado-
- Vocês já fizeram aquilo quantas vezes? Porque ela não parece entender muito do assunto... -Liam falou-
- Fizemos... Algumas vezes... -falei e pude sentir meu rosto esquentar, droga!-
- Ah Meu Deus vocês não fizeram ainda! -Louis caiu na gargalhada-
- Cala a boca Louis! -gritei tacando uma almofada com força na sua cara-
- Uau! -Liam exclamou- Vocês estão juntos há quantos meses? Três? E ainda não rolou?
- Como você está sobrevivendo? -Zayn perguntou e eu queria me enfiar num buraco de tatu e ficar bem quietinho lá dentro de tanta vergonha-
- Quer saber? Não, não rolou ainda. -falei irritado- E sim estou sobrevivendo muito bem sem isso porque quando estou com ela eu só penso nela, nada mais importante nem os desejos carnais. Se eu tenho vontade? Pra caralho! Mas tem que ser quando ela estiver pronta e no momento não estou com pressa. Isso é o suficiente pra vocês?
- Bem, sim. -Louis respondeu- Mas cara, três meses? Uau, seu amigo deve estar hibernando.
- Valeu Louis. -ri- Quando ele acordar fica longe ta, porque na hora que a cabeça de cima para de funcionar, a de baixo não tem muita noção do que é carne de primeira e do que é carne de Louis. -pisquei-

           Louis abriu a boca de um jeito chocado mas não emitiu som algum. Chupa essa, não é só vocês que sabem fazer graça;

Vocês poderiam ler minha nova fic? Aqui. Espero que tenham gostado do capítulo viu, comentem vocês também leitoras fantasminhas que ficam escondidinhas rsrs, eu também amo vocês. Beijo -Deh♥