23 de outubro de 2015

|| HAUNTED 17 - Fix You ||


And I will try to fix you...

DESCULPA ALGUM ERRO NÃO TIVE TEMPO DE CORRIGR

Capítulo anterior...
– Quer uma carona? – perguntei 
– Acho que você já cansou 

Me aproximei dele no mesmo momento pousei a mão no seu ombro e o beijei intensamente, senti sua mão na minha cintura e então rompi o beijo. 


– Pode ficar se quiser – eu disse e sorri 


 Não vai acordar no outro dia me colocando pra fora da sua casa? 
– Bem, não posso te garantir nada – ri 
– Por que você quer que eu fique? – perguntou 
– Se você quiser ir – me afastei – não tem problema – ótimo, agora me sinto uma idiota 
– As vezes seu orgulho estraga qualquer clima – se aproximou – mesmo se você não pedisse eu iria ficar, só queria escutar de você o motivo 
– Acho que você já está abusando, Tomlinson 

Ele riu e me puxou pra perto, segurou meu rosto e selou nossos lábios me dando um beijo calmo e me empurrou um pouco até a porta, abri a mesma e rompi o beijo pra entrar e fechei a porta me encostando na mesma, logo ele me lançou seu olhar e ficou perto deixando uma mão encostada de cada lado do meu corpo. 

– Não precisa falar porque você quer que eu fique, eu sei bem – sorriu 
– Odeio quando você está certo 
– Não deveria, já que a senhorita faz questão de fazer isso algo impossível

Ele me beijou me deixando encostada na porta e pude notar que ele trancou a mesma. 

[...]

Estava deitada na cama com a cabeça sob o peito do Louis em um silêncio bem confortável, enquanto o sentia acariciando meus cabelos delicadamente, me ajeitei um pouco debaixo das cobertas e fui para o travesseiro, olhei para ele que já estava se virando pra me encarar. 

– Você poderia ser assim mais vezes – ele disse 
– Como assim? 
– Falar o que você quer sem começar uma guerra – riu baixo 
– Você também não ajuda, Louis 
– Esquece isso, tudo menos brigar agora
– É, estou cansada demais pra ganhar uma discussão – brinquei 

Ele revirou os olhos azuis e eu apenas ri de sua reação e me aproximei depositando um beijo nos seus lábios e voltei a deitar a cabeça no travesseiro. 

– Queria ficar em casa amanhã, estou tão cansada – eu disse manhosa 
– Se tudo der certo, vamos ter longas férias, enquanto isso sem descanso – tirou o cabelo do meu rosto 

Antes que eu pudesse dizer mais alguma coisa o celular dele tocou, Louis esticou a mão até sua calça, mas por não alcançar, se levantou, colocou uma cueca e calça, ao mesmo tempo que olhou para a tela, e logo deixou o celular de lado novamente. 

– Não vai atender? 
– Não é importante – voltou a deitar-se do meu lado 
– É a tal Amber não é? 
– Como sabe? 
– Você sempre faz a mesma cara quando ela te liga, é bem simples de notar 
– É uma surpresa toda vez que ela me liga 
– Você ainda gosta dela? – perguntei

Ele riu e mexeu nos cabelos completamente bagunçados se ajeitando na cama se aproximando mais de mim. 

– Eu não vou mentir, ela foi especial porque foi uma pessoa que eu meio que gostava, não era amor, mas gostava dela de verdade por se preocupar comigo, só que quando tudo acabou ela se mostrou outra pessoa, eu odeio isso 
– Não respondeu a pergunta 
– Claro que não gosto, pensei que explicando já estaria claro 
– Gosto de respostar diretas 
– Por que quis saber? 
– Só por curiosidade 
– Isso não foi a resposta mais direta do mundo – sorriu vitorioso 
– Não quero me envolver com um cara que gosta de outra pessoa 
– Pensava que queria evitar se envolver comigo. 
– Eu realmente gostaria, mas foi impossível – desliguei o abajur pra fugir do assunto 

Escutei sua risada, provavelmente notou minha tentativa de fugir. 
Fechei meus olhos e senti seu braço em volta da minha cintura, estava prestes a dormir com a sensação incrivelmente boa de tê-lo por perto, me aninhei aos seus braços e depois do dia cheio adormeci. 


DIA SEGUINTE – 01:00 P.M. 



Já era uma da tarde e todos estávamos recebendo informações do Niall que havia ficado responsável de vigiar a casa da Margie, mãe do Mark, que descobrimos o nome real que é Beth.
Após uma boa espera, finalmente ela saiu de casa. 
Fomos em uma van para a casa dela, depois de um tempo chegamos. Thomas desligou o sistema de segurança, enquanto eu, Louis e Liam entramos na casa. 
Fiquei na frente olhando para os lados quando escutei vozes fazendo um sinal para que os garotos parassem, provavelmente um segurança, me aproximei lentamente e vi sua imagem de dois metros de altura falando no celular, no mesmo momento lhe dei uma coronhada certeira na cabeça fazendo com que ele caísse desmaiado no chão, Louis e Liam pegaram em seus braços e com dificuldade deixaram o mesmo trancado no banheiro. 

– Eu olho na biblioteca, Louis no quarto dela e Liam na sala 
– Tudo bem  concordaram

Com cuidado fui até a porta da biblioteca e abri devagar, olhei em volta e notei estar vazia, então comecei a olhar pelas prateleiras apenas encontrando livros que não tinham nada haver com o que eu queria, olhei para todos os lados e mexi nas gavetas que achava pela frente, mas nada de importante. 

– Onde guardaria algo que eu ninguém poderia desconfiar? – perguntei a mim mesma tentando pensar.

Olhei para as prateleiras e claro! Dentro dos livros, abri um deles e notei que as capas eram pura fachada, na realidade havia um fundo falso e nele, peguei um papel que havia dentro onde tinha números que pareciam dolares e uma data e junto havia mil dólares em dinheiro, abri outro livro e havia um novos números, porem diferentes e setecentos dólares. Com o tempo checando pude notar que a cada fileira havia três livros com fundo falso, enquanto separava os livros escutei passos, peguei a arma e apontei na direção, mas era apenas Louis, fazendo com que eu abaixasse a guarda. 

– Encontrou algo? – foi a primeira coisa que questionei 
– Fotos e acho que esse é o nosso suspeito – mostrou a foto – tenho impressão que ele é o tal dono de tudo isso, sogro-padrasto do Mark e você? 
– Ela esconde dinheiro e um papéis cheios de números em um fundo falso dos livros... são três livros falsos em cada fileira 
– Achei duas armas que podem ter impressões digitais – Liam apareceu – já peguei uma amostra 
– Vou tirar fotos dos livros, não queremos que eles desconfiem que sabemos demais – concluí 

Peguei uma câmera pequena que trouxe comigo e comecei a tirar foto de todos os livros, depois da foto que Louis encontrou e por último das armas. 
Tentei arrumar tudo da forma mais perfeita para que não houvesse desconfiança, enquanto eles faziam o mesmo. 
Na escuta, pude ouvir a voz do Thomas. 

– Pessoal,  sistema de segurança está se reinicializando, vocês tem 3 minutos 

Fechei a biblioteca lentamente evitando barulho, mas já podia notar-se que o segurança da casa havia acordado pelas batidas fortes vindas do banheiro, Liam apareceu mas Louis ainda demorava. 

– Temos três minutos! – eu gritei 

Ele logo apareceu descendo as escadas correndo, coloquei o capuz e saímos de casa correndo direto pra van, escutei um tiro e quando olhei pelo vidro, era outra pessoa, provavelmente um capanga que notou a movimentação, mas Liam acelerou no mesmo momento fazendo com que deixássemos a casa. 

– Descobrimos coisas demais – Louis disse impaciente – e já sabem sobre nós dois – olhou pra mim – isso não vai dar em boa coisa
– Será que podemos relaxar só por um segundo? – respirei fundo – quase levei um tiro, acho que precisamos só focar aqui 
– Amanhã conversamos sobre a proteção de vocês – Liam entrou na conversa – primeiro temos que mostrar pro Benjamin tudo isso 


[...]



Ao chegar no escritório e mostrar todas as provas, Benjamin parecia extremamente satisfeito. 

– Se acharmos digitais certas e descobrirmos o que esses números significam – olhou pra nós – acho que vamos pegar o grupo de mais procurados nos Estados Unidos 
– Como assim? – Thomas perguntou
– Tive informações de polícias do país inteiro, tem muitas coincidências haver com isso – respondeu – agora esses números acho que pode ser um trabalho pra você, Thomas 
– Um nerd nunca se dá bem – levantou-se – vou resolver isso 
– Um nerd que não consegue usar uma arma – Louis jogou a indireta e riu em seguida 

Ele saiu e Benjamin disse que por enquanto não precisava de nós enquanto não tivesse notícias novas. 
Levei algumas fotos pra estudar, me despedi do pessoal e voltei pra minha casa. 
Quando cheguei, estavam tentando abrir minha porta a força, escondi uma arma na bolsa e corri até eles. 

– O que pensam que estão fazendo?! – empurrei um deles 
– Trabalhamos pro Mark Kidman, conhece? – o grisalho se aproximou e segurou meus braços 
– Se você gritar – o moreno mais novo disse próximo de mim – eu te mato agora mesmo e aproveitamos pra acabar com qualquer um que for no seu enterro 

Olhei pra ele quase mordendo a língua pra não soltar nenhuma ironia. 

– Pega a chave e abre a porta – o grisalho disse me soltando e empurrando até a porta 
– Eu... – tentei dizer algo 
– Mais uma palavra e eu cumpro com o que prometi – o moreno falou entre dentes 

Peguei a chave da bolsa e abri a maldita porta, fui empurrada dentro de casa e escutei a porta fechando bem atrás de mim, me puxaram pelo braço até meu quarto e fui jogada pra parede, por pouco não me machuquei. 

– Vocês estão mexendo com as pessoas erradas – grisalho segurou meus punhos – melhor soltar o Mark antes que o pior aconteça 
– Pode me matar agora mesmo – olhei em seus olhos – nunca vou soltar um bandido, nunca 
– Tudo bem – pegou uma arma da sua cintura – pelo menos o resto da sua equipe vai entender meu recado 

Fechei meus olhos, até escutar a voz do outro que até então estava calado e sinceramente, preferia seu silêncio do que escutar aquilo.

– Pablo, não mata a garota agora, loirinha e olhos verdes, deve ter algo bom por baixo dessa roupa 

Abri meus olhos de imediato e tentei me soltar, mas o tal Pablo soltou uma risada e me segurou mais perto de si. 

– Realmente, Oliver – sorriu olhando pra mim – talvez seja melhor você ficar viva e ter história pra contar 
– Me solta – foi a única coisa que consegui dizer no momento estava assustada 
– Agora está com medo? – Oliver perguntou se aproximando – então vai valer a pena 

Senti minha blusa rasgada por ele que sorriu ao ver que estava desesperada, mas não, isso não é o que sou, preciso sair dessa. Lembrei da arma na minha bolsa, olhei para Oliver que não possuía arma consigo, já tinha um plano perfeito. 
Usei meus pés livres pra chutar Oliver que se afastou, senti as mãos de Pablo me segurando pela cintura, depois de tanto tentar acertar, finalmente consegui uma cotovelada certeira na sua cabeça e depois estomago, pensava que não iria conseguir, mas peguei sua arma e rapidamente alcancei a da minha bolsa, tendo assim duas armas apontadas pra ambos.

– Ficou assustada, agente? – Oliver disse se levantando 
– Não encosta em mim 
 

– Parece que está mal – Pablo disse cínico 
– Sai daqui! – Atirei no seu ombro 
– Está muito enganada se acha que isso vai acabar fácil assim! – ele gritou de dor 

Atirei novamente mas não acertei, porém os dois correram, fui atrás atirando mas não demorou para que estivessem fugindo no carro. 
Larguei as armas no sofá e peguei meu celular, liguei pro Louis na mesma hora. 

– Franky? – ele atendeu 
– Louis, preciso de você – minha respiração estava descompensada 
– O que houve? 
– Só me diz que está vindo pra cá! 
– Tudo bem, calma, estou no mercado perto, chego aí rápido – desligou 

Joguei o celular no sofá e tentei manter o auto controle, sentia nojo só de pensar naqueles dois, como descobriram tão fácil minha casa sendo que está escondida pelo FBI? Tem que haver alguma coisa. 
Na minha mente passava tudo e eu ficava cada vez mais perturbada a cada minuto que passava daquele começo de noite horrível, escutei um barulho vindo da entrada de casa, peguei a arma e apontei diretamente pra quem quer que seja, mas era apenas o Louis que levantou as mãos e veio até mim empurrando a arma e me beijando, soltei a mesma no chão o abraçando depois do fim do beijo. 

– O que aconteceu? – ele perguntou baixo 
– Eles me acharam – eu saí do abraço – não sei como, mas conseguiram, vieram aqui disseram que iria me matar, mas... mas... 
– Calma – ele segurou meu braço 

No mesmo momento que ele segurou meus braços lembrei de como Pablo havia feito, me afastei do Louis no mesmo momento apenas como reflexo. 

– Eles não fizeram nada com você não é? – ele perguntou e eu não respondi – Franky, me responde! 
– Não... quase – desviei o olhar – eu... 
– Não fala mais nada – se aproximou – você vem comigo pro meu apartamento, de jeito nenhum vai continuar aqui 
– Louis, só não sei o que dizer, por que estou assustada? Eu trabalho pra FBI, como posso ficar assim? 
– Porque você é humana – disse em tom óbvio – vamos pegar algumas coisas – me puxou – pelo menos hoje vai ficar comigo, tudo bem? 
Assenti e peguei um copo d'água e me acalmei um pouco mais. Fiz uma mala pequena com minhas coisas mais necessárias, coloquei outra roupa e o segui até seu carro. 
Me sentei no banco colocando o cinto, enquanto ele já ligava a BMW X5 e dirigia pra longe da minha casa. 
Acho que preferia ter levado uma surra do que ter quase passado por algo tão horrível, mas precisava esquecer, afinal, não posso me fragilizar, nem tenho essa opção. 
Quando chegamos depois de um tempo, desci do carro e lembrei que nunca tinha vindo até seu apartamento que ficava em um prédio bem localizado em Upper East Side, um bairro nobre de Nova York. 
Ele deixou o carro no estacionamento e subimos até o quinto andar, no momento eu escolhia o silêncio e parece que Louis havia entendido isso muito bem. Depois de parar no andar ele abriu a porta do Apart.  e eu deixei minha mala na sala perto do sofá, olhei em volta e não tinha nada exagerado, era só uma mobília simples provando que ele havia arrumado tudo ou pelo menos a maioria. 

– Gostou? – perguntou 
– É lindo – o encarei – parece com você – sorri de canto 
– Pode ficar a vontade
– Então acho que vou tomar um banho e dormir – respirei fundo – mais um dia cheio, só espero que no final essa missão vai valer a pena 
– Claro que vai valer a pena, vem te mostro onde fica o banheiro

Peguei minha mala e o acompanhei que me mostrou tudo o que eu poderia precisar, então tomei um banho relaxando de verdade, depois coloquei uma roupa pra dormir e entrei no quarto me sentando na cama, olhei pro lado vendo uma parede cheia de coisas do Doncaster Rovers, time dele e ele entrou no quarto.

– Melhor? – se sentou do meu lado 
– Bem melhor – o encarei – obrigada 
– Não fiz nada, queria ter chegado antes pra te ajudar com esses caras, nem quero imaginar como seria se você não soubesse se defender 

Ele esboçava toda sua preocupação nas suas expressões e a sensação de ter alguém se importando de verdade comigo é boa, provavelmente porque não estou tão acostumada com isso. Me aproximei e deitei a cabeça no seu ombro, pude notá-lo sorrindo, me empurrou pra cama e ficou por cima de mim me beijando. 

– A gente poderia ter algo sério, não acha? 
– Não gostaria, mas ultimamente você me faz repensar nos meus conceitos 

Ele riu e se deitou do meu lado, abracei sua cintura e me aconcheguei. 

– Eu sei que você é marrenta, mas eu tento as vezes – brincou 
– Você é mais marrento que eu 
– Vamos dormir antes que só isso se transforme em uma discussão de horas – apagou a luz 
– Tudo bem – ri – boa noite 
– Boa noite... 


continua... 

-------------------------------------------------------------------------------------------------

EAEEEE! 
Espero que tenham gostado do capítulo, deixem aí o que acham por favor, a participação de vocês é super importante. 
Muito obrigada pelos comentários dos último capítulo, não deu pra responder porque minha internet ainda tá um lixo, tá naquelas né af --' 
BEM, É ISSO! Grande beijo, amo vcs - beijos 

12 comentários:

  1. Maravilhoso como sempre mih, eu acho que de todos os capitulos esse é meu predileto, porque eles demonstra mais o que sente um pelo outro, mesmo eles não confessando... Parabéns amo suas fics, espero pelo próximo... Beijos sua linda ❤❤
    Xx juh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah fico super feliz por isso juh <3 muito obg

      Excluir
  2. Maravilhoso *-*
    Perfeito demais, amando essa fic cada vez mais ♡.♡

    DS

    ResponderExcluir
  3. Nossa!!!! Concordo com a jurassa serio! Predileto tamben véu que susto quando o cara entrou, quando ele levaou ela pro quarto já ate fiquei tensa..mas ainda Bem que deu tudo certo! Mais perfeito que o normal, vey você é muito boa nisso, talento pra isso, não quer me da um pouquinho não? Por favor... Boa tarde bom dia boa noite e ate o próximo cap. Beijos hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. se eu pudesse te dava um pouquinho do talento q tu diz q eu tenho haha <3 valeu mesmo, beijao Sam

      Excluir
  4. que lindoooooo esse capitulo , ele se preocuopando cm ela , está mais q claro q os dois se amam apesar de ñ assumirem diretamente lkkk <3 achei q á Franky ia ser estuprada :O ainda bem q ñ aconteceu nda rsrs , ameeeeiiiii , estou amando tda á fic , está muito , muito , muito , muitooooooo Perfeita !!! <3 <3 bjoos , estou loca pra continuar lendo :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. claro né, só precisam saber logo e admitir rs valeu mesmo lindeza <3 bjo

      Excluir
  5. Nossa serio, to amando essa fic. shippo os dois fortemente sz

    ResponderExcluir
  6. Eles são MT perfeitos juntos!!!
    Amando a Fic!!
    Bjão
    Continua rápido

    ResponderExcluir

Não saia sem comentar. Dê sua opinião!!! Malikisses *-*